terça-feira, 27 de outubro de 2015

"É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito." Albert Einstein

Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, em cujo centro puseram uma escada e, sobre ela um cacho de bananas. Quando um macaco subia a escada para apanhar as bananas, os cientistas lançavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros enchiam-no de pancadas. Passado mais algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas.
Então, os cientistas substituíram um dos cinco macacos. A primeira coisa que ele fez foi procurar subir a escada, dela sendo rapidamente retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais procurava subir a escada. Um segundo foi substituído, e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado, com entusiasmo, da surra ao novato. Um terceiro foi trocado, e repetiu-se o fato. Um quarto e, finalmente, o último dos veteranos foi substituído.
Os cientistas ficaram, então, com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse chegar às bananas.
Se fosse possível perguntar a algum deles porque batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: "Não sei, as coisas sempre foram assim por aqui..."


Fonte: http://giulianofilosofo.blogspot.com.br

domingo, 11 de outubro de 2015

METADE

Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio;
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca;
Porque metade de mim é o que eu grito,
Mas a outra metade é silêncio...

Que a música que eu ouço ao longe
Seja linda, ainda que tristeza;
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante;
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade...

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece
E nem repetidas com fervor,
Apenas respeitadas como a única coisa que resta
A um homem inundado de sentimentos;
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo...

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço;
E que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada;
Porque metade de mim é o que penso
Mas a outra metade é um vulcão...

Que o medo da solidão se afaste
E que o convívio comigo mesmo
Se torne ao menos suportável;
Que o espelho reflita em meu rosto
Um doce sorriso que me lembro ter dado na infância;
Porque metade de mim é a lembrança do que fui,
A outra metade eu não sei...

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
para me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais;
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço...

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade para fazê-la florescer;
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção...

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade... também.
Oswaldo Montenegro

sábado, 26 de setembro de 2015

O Beijo Mata o Desejo



«Não te beijo e tenho ensejo  

Para um beijo te roubar; 
O beijo mata o desejo 
E eu quero-te desejar.» 

Porque te amo de verdade, 
'stou louco por dar-te um beijo, 
Mas contra a tua vontade 
Não te beijo e tenho ensejo. 

Sabendo que deves ter 
Milhões deles p'ra me dar, 
Teria que enlouquecer 
Para um beijo te roubar. 

E como em teus lábios puros, 
Guardas tudo quanto almejo, 
Doutros desejos futuros 
O beijo mata o desejo. 

Roubando um, mil te daria; 
O que não posso é jurar 
Que não te aborreceria, 
E eu quero-te desejar!    

António Aleixo, in "Este Livro que Vos Deixo..."

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Doenças Transmitidas pelos Gatos




Os gatos, quando não são devidamente tratados, podem transmitir algumas doenças aos seres humanos. As principais doenças transmitidas pelos gatos, através das fezes, saliva ou pêlos, são:
  • Alergia respiratória: Pois eles produzem uma proteína chamada glicoproteína, que desencadeia uma série de sintomas alérgicos, como espirros, inchaços na pele, problemas respiratórios ou a asma;
  • Toxoplasmose: É transmitida através da contaminação com as fezes do gato e pode causar mal formação no bebê se a mãe for contaminada durante a gravidez;
  • Micose: É transmitida pelo contato pele a pele com os gatos, e causam muita coceira e vermelhidão na pele. Seu tratamento pode ser feito com o uso de antifúngicos como o cetoconazol, sob orientação médica;
  • Esporotricose: É transmitida através da mordida ou arranhadura do gato contaminado com o fungo causador da doença. Seu tratamento pode ser feito com o uso de antifúngicos como tioconazol, sob orientação médica;
  • Síndrome da Larva Migrans Visceral: É transmitida pela ingestão de ovos da verminose, que podem afetar o intestino, fígado, coração ou pulmões causando uma série de complicações;
  • Ancilostomíase: É transmitida através da penetração do parasita através da pele, pode causar hemorragia no fígado, tosse, febre, anemia, perda de apetite e fadiga.
É preciso ter alguns cuidados ao decidir ter um gato como animal de estimação. Verifique se as vacinas estão todas em dia e leve o animal ao veterinário com regularidade, para garantir a vida saudável do animal e de toda a família.
Dicas para evitar as doenças transmitidas pelos gatos

Algumas dicas para evitar a contaminação com doenças transmitidas pelos gatos são:
  • Levar o gato ao veterinário com regularidade, para que ele possa ser vacinado e receba o tratamento adequado;
  • Lavar as mãos com água e sabão sempre após tocar ou brincar com o gato;
  • Ter cuidado ao manipular as fezes do gato, utilizando luvas ou um saco plástico para pegar nelas e depois levá-las ao lixo devidamente ensacado ou jogar no vaso sanitário;
  • Trocar a areia do gato regularmente;
  • Lavar muito bem os locais onde o gato tem o hábito de ficar;
  • Não dormir na mesma cama que o gato, nem deixá-lo ficar no sofá ou cadeira.
Apesar de não apreciarem os gatos também precisam de banhos, mas o ideal é levá-lo ao veterinário até que ele se habitue.

Fonte: http://www.tuasaude.com

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Uma Bela Flor.




Aos frondosos ipês que por sua beleza nos revela vida e colore nossos olhos com tanta vivacidade.
Tem um poema meu que diz assim:
Porque tu flor, és tão linda,
do teu perfume que exala suave em minha mente,
teu rosto sempre vem a tona,
como o dia que sempre ressurge e começa tudo de novo.



Gleisom  Matos







terça-feira, 15 de setembro de 2015

CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO ANTI-RÁBICA CANINA E FELINA. DIA 19/09/2015

No próximo sábado (19), os guardiões de animais de estimação devem ficar atento para a  Campanha Nacional de vacinação Anti-rábica canina e felina. "NO POSTO MAIS PRÓXIMO".





Por favor galera se vocês não deram banho ainda no seu animal de estimação, por favor não molhe seu cão no dia da vacinação, leve ele sujo mesmo é mais fácil para nós vacinadores, pois é o pessoal tem uma mania e sisma de dar banho no animal no dia da vacinação, pois então, não deem. E  os gatos não coloquem em gaiolas de pássaros pois é muito difícil retirar o animal de la de dentro. por favor se possível leve dentro de uma caixa própria pra coloca-los. mas é isso. não deixem de levar seu animal felino ou canino pra vacinar. tudo em prol da saúde pública.

terça-feira, 28 de julho de 2015

TUDO SOBRE ESCORPIÃO

Historia natural
A origem dos escorpiões remonta a mais de 400 milhões de anos. A notória capacidade evolutiva e
adaptativa permitiu que esses animais resistissem a todos os grandes cataclismos. Para sobreviver por milênios, os escorpiões se adaptaram aos mais variados tipos de habitat, dos desertos às florestas tropicais e do nível do mar a altitudes de até 4.400 metros. Entretanto, a maioria das espécies tem preferência por climas tropicais e subtropicais.

Atualmente, os escorpiões possuem exigências específicas tanto em relação ao habitat e micro-habitat que ocupam, quanto em relação às condições do meio ambiente. Dessa maneira, a maioria das espécies apresenta padrões ecológicos e biogeográficos previsíveis e localizados. Porém, existem exceções, em particular, na família Buthidae, em que existem espécies dentro dos gêneros Tityus, Centruroides e Isometrus, que apresentam alta capacidade de adaptação, acarretando padrões irregulares de distribuição geográfica. Por isso, podem ser encontrados em ambientes modificados pelo homem, principalmente em áreas urbanas.

Todos os escorpiões atuais são terrestres. Podem ser encontrados nos mais variados ambientes, em
esconderijos junto às habitações humanas, construções e sob os dormentes das linhas dos trens. Procuram locais escuros para se esconder. O hábito noturno é registrado para a maioria das espécies. São mais ativos durante os meses mais quentes do ano (em particular no período das chuvas). Devido às alterações climáticas do globo, em algumas regiões, estes animais têm se apresentado ativos durante o ano todo. São carnívoros, alimentam-se principalmente de insetos e aranhas, tornando-os um grupo de eficientes predadores de um grande número de outros pequenos animais, às vezes nocivos ao homem. Entre os seus predadores estão camundongos, quatis, macacos, sapos, lagartos, corujas, seriemas,galinhas, algumas aranhas, formigas, lacraias e os próprios escorpiões.

Quais as espécies de importância em saúde Pública
e onde são encontradas?
Das 1.600 espécies conhecidas no mundo, apenas cerca de 25 são consideradas de interesse em saúde. No Brasil, onde existem cerca de 160 espécies de escorpiões, as responsáveis pelos acidentes graves pertencem ao gênero Tityus que tem como característica, entre outras, a presença de um espinho sob o ferrão. As principais espécies capazes de causar acidentes graves são:

Tityus serrulatus
Conhecido como escorpião amarelo (figuras 2, 3 e 4), é a principal espécie que causa acidentes graves, com registro de óbitos, principalmente em crianças.
Principais características: possui as pernas e cauda amarelo-clara, e o tronco escuro. A denominação da espécie é devida à presença de uma serrilha nos 3º e 4º anéis da cauda. Mede até 7 cm de comprimento. Sua reprodução é partenogenética, na qual cada mãe tem aproximadamente dois partos com, em média, 20 filhotes cada, por ano, chegando a 160 filhotes durante a vida.

Distribuição geográfica: antes restrita a Minas Gerais, devido à sua boa adaptação a ambientes urbanos e sua rápida e grande proliferação, hoje tem sua distribuição ampliada para Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Pernambuco, Sergipe, Piauí, Rio Grande do Norte, Goiás, Distrito Federal e, mais recentemente, alguns registros foram relatados para Santa Catarina.



                                Figura 1- tityus serrulatus (fêmea com filhotes no dorso).




 Tityus bahiensis
Conhecido por escorpião marrom ou preto (figura 5).
Principais caracteristicas: tem o tronco escuro, pernas e palpos com manchas escuras e cauda marrom-avermelhado. Não possui serrilha na cauda, e o adulto mede cerca de 7 cm. O macho é diferenciado por possuir pedipalpos volumosos com um vão arredondado entre os dedos utilizado para conter a fêmea durante a “dança nupcial” que culmina com a liberação de espermatóforo no solo e afecundação da fêmea. Cada fêmea tem aproximadamente dois partos com 20 filhotes em média cada, por ano, chegando a 160 filhotes durante a vida.
Distribuicao geografica: é a espécie que causa mais acidentes em São Paulo, sendo encontrado ainda em Minas Gerais, Goiás, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, e Rio Grande do Sul.

                               Figura 2 Tityus - bahiensis.

Tityus stigmurus
Principais características: o escorpião amarelo do Nordeste, assemelha-se ao T. serrulatus nos hábitos e na coloração, porém apresenta uma faixa escura longitudinal na parte dorsal do seu mesossoma, seguido de uma mancha triangular no prossoma. Também possui serrilha, porém, menos acentuada, nos 3o e 4º anéis da cauda 
Distribuição geográfica: é a espécie que causa mais acidentes no Nordeste, presente em Pernambuco, Bahia, Ceará, Piauí, Paraíba, Alagoas, Rio Grande do Norte e Sergipe.
                                         Figura 3 Tityus – Stigmurus.

Tityus paraensis
Conhecido por escorpião preto da Amazônia (figuras 7, 8 e 9).
Principais características: quando adultos, possuem coloração negra, podendo chegar a 9 cm de comprimento, porém quando jovens, sua coloração é bem diferente, com o corpo e apêndices castanhos e totalmente manchados de escuro, podendo ser confundido com outras espécies da Região Amazônica. Macho  e fêmea são bem distintos, sendo que o primeiro apresenta os pedipalpos bastante finos e alongados, assim como o tronco e a cauda em relação à fêmea.
Distribuição geográfica: espécie comum na Região Norte, principalmente no Pará e Amapá. Recentemente exemplares têm sido encontrados no Mato Grosso.

                                         Figura 4 Tityus- paraensis.

Outras espécies comuns, de menor relevância para saúde pública
Genero Tityus
Também são registrados acidentes causados por outras espécies do gênero Tityus, porém, sua incidência e gravidade são menores.
Tityus metuendus
Principais características: de 7 a 9 cm de comprimento; colorido vermelho-escuro, quase negro com discretas manchas no troco e pernas; 4o e 5o segmentos da cauda mais espessos com relação aos demais; presença de um espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Acre, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima.
                                     Figura 5Tityus metuendus


Tityus silvestris
Espécie comum em toda Região Amazônica e causadora de acidentes sem gravidade, principalmente
no Pará.
Principais características: de 2,5 a 4,5 cm de comprimento; colorido geral marrom amarelado com manchas em todo o corpo, pernas e palpos, com exceção do último segmento da cauda e do telson; presença de um espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Acre, Amapá, Amazonas, Goiás, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Tocantins.
                                     Figura 6. Tityus silvestris



Tityus brazilae
Principais caracteristicas: de 5 a 7 cm de comprimento; colorido geral amarelo vermelhado, com manchas escuras nas pernas e palpos; tronco com três faixas escuras longitudinais no dorso; o macho possui a cauda e os palpos mais finos e longos que as fêmeas; presença de um espinho sob o ferrão.

Distribuicao geografica: Bahia, Espírito Santo e Sergipe.
                                      Figura 7. Tityus brazilae




Tityus confluens
Principais caracteristicas: de 4 a 6 cm de comprimento; colorido geral amarelo escuro; pernas e palpos sem manchas e tronco escuro; muito semelhante ao Tityus serrulatus, porém sem serrilha na cauda; presença de um espinho sob o ferrão.
Distribuicao geografica: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Tocantins.
                                      Figura 8. Tityus confluens



Tityus costatus
Principais caracteristicas: 5 a 7 cm de comprimento; colorido geral castanho amarelado com manchas nas pernas e palpos, as espécies encontradas na Região Sul apresentam uma coloração mais escura; presença de três faixas longitudinais na face dorsal do tronco e de um espinho sob o ferrão.
Distribuicao geografica: Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.
                                     Figura 9. Tityus costatus



Tityus fasciolatus
Principais caracteristicas: 4,5 a 7 cm de comprimento; colorido geral marrom-amarelado com três faixas longitudinais na face dorsal do tronco; manchas nas pernas e palpos; presença de um espinho sob o ferrão.
Distribuicao geografica: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais.


                                     Figura 10 Tityus fasciolatus



Tityus neglectus
Principais características: 5,5 a 7,5 cm de comprimento; colorido geral marrom-amarelado, por vezes avermelhado; presença de um triângulo escuro na região anterior do prossoma; ausência de manchas nas pernas e palpos; presença de um espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Rio Grande do Norte, Pernambuco, Sergipe, Bahia e Alagoas.
                                     Figura 11. Tityus neglectus




Tityus mattogrossensis
Principais características: 3 a 3,5 cm de comprimento; colorido geral castanho amarelado totalmente manchado no corpo, pernas e palpos; quarto e quinto segmentos caudais escurecidos em sua porção posterior; presença de um espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo e Tocantins.
                                     Figura 12. Tityus mattogrossensis




Genero Ananteris
Escorpião comum em todas as regiões do país, com representantes de várias espécies, sendo as principais A. balzanii, A. franckei, A. mauryi e A. luciae.
Principais características: de 2 a 4 cm de comprimento; colorido geral marrom claro, por vezes avermelhado, com várias manchas por todo corpo, pernas e palpos; presença de um espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais,Pará, Paraná, São Paulo, Tocantins, Bahia, Paraíba, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte,Amazonas e Maranhão.
                                     Figura 13. Ananteris balzanii




1.3.3 Genero Rhopalurus
Rhopalurus agamemnon
Principais características: de 10 a 11 cm de comprimento; colorido geral marrom-escuro, com aspernas amareladas e palpos amarelo-escuro; ausência de espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Goiás, Piauí, Bahia, Ceará, Mato Grosso, Pernambuco, Tocantins, Maranhão, Minas Gerais e Sergipe.
                                     Figura 14. Rhopalurus Agamêmnon




Rhopalurus rochai
Principais características: de 6 a 8 cm de comprimento; colorido geral amarelo-palha, sem manchas; presença de espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Ceará, Bahia, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Alagoas, Paraíba e Sergipe.
                                     Figura 15. Rhopalurus rochai




1.3.4 Genero Bothriurus
Bothriurus araguayae
Principais características: de 2,7 a 3,6 cm de comprimento; colorido geral marrom-claro com discretas manchas escuras; pernas amareladas, também com manchas; presença de grânulos formando um arco, nem sempre fechado, na face ventral posterior do 5o segmento caudal; ausência de espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.

Bothriurus asper
Principais características: 2 a 4 cm de comprimento; coloração marrom com uma faixa longitudinal amarela na região dorsal do tronco; ausência de espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe.

                                     Figura 16. Bothriurus sp.




Genero Thestylus
Thestylus aurantiurus
Principais caracteristicas: de 3,5 a 4,5 cm de comprimento; colorido geral negro; ausência de grânulos formando o arco na face ventilar do 5o segmento caudal; ausência de espinho sob o ferrão.
Distribuicao geografica: Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Santa Catarina e São Paulo.
                                     Figura 17. Thestylus aurantiurus




Genero Broteas
Broteas amazonicus
Principais características: de 6 a 7 cm de comprimento; colorido geral marrom escuro com telson vemelho amarelado; ausência de espinho sob o ferrão.
Distribuição geográfica: Amazonas, Roraima e Rondônia.



                                    Figura 18. Broteas SP






Fonte: Manual de Controle de escorpiões (Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde; Departamento de Vigilância Epidemiológica),
Organização: Coordenação-Geral das Doenças Transmissíveis por Vetores e a Antropozoonoses/CGDT/Devep/SVS/MS
youtube: https://www.youtube.com/watch?v=mnmAJrMWzrE
https://www.youtube.com/watch?v=mlS3UcVRBik
https://www.youtube.com/watch?v=CwCr_msRyiU